Sistemas Loterias

26 de out de 2012

VEJA O VÍDEO : SILAS MALAFAIA APÓIA JOSE SERRA EM SÃO PAULO - CONTRA HADDAD E O KIT GAY VOTE 45

Silas Malafaia aponta mentiras no documento de Haddad com apoio de evangélico O pastor Silas Malafaia contestou recentemente um docum... thumbnail 1 summary

Silas Malafaia aponta mentiras no documento de Haddad com apoio de evangélico

O pastor Silas Malafaia contestou recentemente um documento em que 20 líderes evangélicos supostamente assinaram em apoio a Fernando Haddad, candidato do PT à prefeitura de São Paulo. Silas aponta mentiras, especialmente no que diz que aos líderes terem censurado a atitude dele de apoiar o outro candidato, Serra.

Malafaia em seu site respondeu rebatendo o documento e palavras do candidato petista. “Haddad e o PT produziram a notícia de que 20 entidades evangélicas e vários pastores estão apoiando sua candidatura. Tenho certeza de que ele aprendeu a mentir com seus mentores, que acabam de ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal por formação de quadrilha”, afirmou o pastor.

O documento em questão foi divulgado principalmente por toda a imprensa paulista. Respondendo a isso, o pastor Silas desabafou: “Não posso acreditar que a imprensa de São Paulo esteja a serviço de um mentiroso e inescrupuloso como Haddad. Ele nem precisa fazer teste para ser artista; ganha vaga em qualquer filme de Hollywood”.


O popular pastor, Silas Malafaia, apresentou em cinco tópicos as supostas mentiras produzidas por Haddad. No primeiro, questiona o fato de pastores terem pedido uma reunião o candidato.

“Mentira 1: Que os pastores pediram reunião com ele. Mentira! A equipe de Haddad que convidou os pastores, e a reunião aconteceu no diretório do PT em São Paulo”.

Em segundo ele afirma que os pastores assinaram o documento, mas não sabiam que o mesmo falava contra ele. “Mentira 2: que os pastores assinaram o manifesto de apoio a Haddad e contra minha posição ‘violenta’ em relação a ele. Mentira! Os pastores assinaram um documento de apoio a Haddad sem saber que o documento também era um documento contra minha pessoa”.

Contestou ainda sobre a quantidade de líderes presentes na reunião. “Mentira 3: Que a reunião foi feita com 200 líderes de entidades evangélicas. Mentira! Não tinha um líder, isto mesmo, um líder evangélico de expressão em São Paulo. Havia somente líderes sem projeção. Eu poderia listar os 20 maiores líderes de São Paulo, e nenhum deles estavam lá”.

O líder das Assembleias de Deus Vitória em Cristo desmentiu também a informação de que a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil estaria apoiando o candidato à prefeitura.

“Como sempre tenho dito, quem apoia são as pessoas, e não as entidades. A CGADB, entidade maior das Assembleias de Deus do Brasil, é presidida pelo Pr. José Wellington, que apoia Serra e nunca falou em nome da CGADB ou da Assembleia de Deus”.

No final de seu manifesto, o pastor Malafaia apresentou um tópico polêmico: o kit gay. Segundo ele, na reunião com o candidato petista, os líderes evangélicos pressionaram Haddad a falar sobre o kit gay, mas o candidato se esquivou.



“Os pastores que estavam na reunião questionaram Haddad sobre o kit gay, e ele se recusou a responder”.

“Segundo Haddad, quando eu apoiei Serra, ele disse que não iria dar importância ao submundo da política e ao mundo das trevas. Agora, com medo de não receber o voto dos evangélicos, monta uma farsa para tentar ludibriar o povo de Deus em São Paulo”, desabafa Malafaia.

Documento

O documento questionado foi assinado por 20 líderes evangélicos que endossaram a candidatura de Haddad e traz cinco reivindicações que são: a liberdade para todas as crenças, a defesa do Estado laico, parcerias entre governo e entidades religiosas com fins sociais e promoção de políticas de inclusão social em vários setores.

O último ponto é um pedido: “fim das perseguições e do clima de medo imposto pelos governos de Serra e Kassab, com a aplicação de multas e até mesmo o fechamento de templos, através da aplicação arbitrária da legislação municipal, como a Lei do Psiu”.


Na semana decisiva da disputa pela Prefeitura de São Paulo, o candidato do PSDB, José Serra, acusou ontem o PT, do adversário Fernando Haddad, de querer vencer a eleição paulistana para minimizar as condenações de líderes do partido no julgamento do mensalão. O tucano demonstrou que não pretende abdicar do chamado discurso ético na reta final da campanha ao afirmar que petistas acabarão na “cadeia”.

Indiretamente, Serra fez alusão ao comentário do ex-ministro José Dirceu, já condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa. Após a condenação, em encontro com correligionários, Dirceu disse que a vitória de Haddad era mais importante para o PT do que o julgamento.

“Eles acham também que a eleição em São Paulo vai compensar o crime do mensalão. Mas não vai, não. Esse pessoal vai para a cadeia mesmo”, afirmou Serra após discursar para universitários de uma associação na Lapa, bairro da zona oeste da capital paulista.

O candidato do PSDB tratou do assunto ao responder sobre as declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, que participaram anteontem de um comício da campanha de Haddad. “Eles jogam eleitoralmente e na base da mentira. É um partido de gente que mente o tempo inteiro. Eles atacam, fazem jogo baixo e ao mesmo tempo dizem que o outro é que está fazendo”, disse Serra.

No comício, Lula comparou as renúncias de Serra a mandatos no Executivo (ele deixou a Prefeitura em 2006 para concorrer ao governo do Estado, do qual saiu em 2010 para tentar a Presidência) à trajetória dos ex-presidentes Jânio Quadros e Fernando Collor. Jânio e Collor também deixaram de terminar mandatos por motivos eleitorais. Dilma afirmou que Haddad é vítima da mesma “campanha de baixo nível” que ela enfrentou na disputa contra Serra em 2010.

“É a estratégia petista típica. Eles jogam baixo, muito baixo. Basta olhar o que eles fazem de ataques, infâmias, isso e aquilo, e acusam o adversário. É a maneira mais cômoda”, disse o tucano, sem citar nomes. “É quase uma demonstração de que o crime em relação à verdade compensa.”

Debate. Ao responder a Lula e Dilma abordando o mensalão, Serra voltou a vincular o debate eleitoral em São Paulo à questão da ética na política. Ele também disse na última quinta-feira, no debate da TV Bandeirantes, que

Dirceu era o “guru político” de Haddad. Serra já havia falado sobre o mensalão no horário eleitoral nos primeiros programas de TV do 2.º turno.

Nas inserções de propaganda mais curtas ao longo do dia, a ligação da imagem de Haddad com os réus condenados é feita por locutores do programa do PSDB.

A nova ofensiva do tucano vai contra o que pregam publicamente integrantes da campanha. Líderes mais próximos do candidato avaliam que o julgamento do mensalão já foi explorado com o eleitorado sensível ao tema e, portanto, talvez não venha a agregar quantidade significativa de eleitores.

Coordenadores do comitê serrista dizem, no entanto, que é preciso manter a mesma linha de propaganda e não deixar o mensalão sair da pauta.

Em caminhadas nos bairros das zonas leste e sul, cabos eleitorais de Serra começaram a distribuir no fim de semana adesivos com a frase “Diga não ao mensalão” com tonalidade vermelha ao fundo - a cor usada pelo PT. O STF deve concluir nesta semana o julgamento.

Revide. No debate da Bandeirantes, Haddad, que lidera as pesquisas de intenção de voto, propôs a Serra uma trégua na campanha. Pelo acordo, os candidatos reservariam a última semana para discutir somente projetos de governo. O tucano acusou o petista de tentar “um truque para impressionar”. Haddad, porém, não deve seguir o “protocolo de paz” unilateralmente. Apesar de reiterar que não pretende tomar a frente nos ataques, o petista reservou espaço em sua propaganda de TV para revidar. Ele alega não poder ficar sem resposta, porque o eleitor cobra o revide.

A campanha do PT pode levar ao ar na TV escândalos como o mensalão mineiro e a investigação por suspeita de enriquecimento ilícito de Hussain Aref Saab, ex-diretor de Aprovações de construções imobiliárias nomeado por Serra na Secretaria municipal de Habitação.


Serra recupera evangélicos e volta a cenário pré “kit-gay”

José Serra (PSDB) recuperou os eleitores evangélicos que havia perdido na semana passada. Ele cresceu 10 pontos nesse segmento do eleitorado em apenas sete dias: foi de 28% para 38%. Com isso o tucano voltou ao patamar que tinha na primeira pesquisa do segundo turno entre esses eleitores e, por consequência, no total do eleitorado. Ou seja, Serra não tirou eleitores de Fernando Haddad (PT), só reconquistou os que perdera.

Essa movimentação da intenção de voto dos evangélicos está ligada à campanha contra o “kit anti-homofobia” que um aliado de Serra, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus, dirigiu a Haddad. Ao que tudo indica, os eleitores não gostaram de ver religião misturada com política e reagiram contra Serra, declarando voto em branco ou nulo na semana passada. Agora que o assunto saiu de pauta, eles voltaram ao ninho tucano.

“Essa volta dos evangélicos para Serra era previsível”, diz a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari. “Foram principalmente os evangélicos que moram nas áreas antipetistas que voltaram a declarar voto em Serra”, completa. Entre eles, o tucano cresceu 14 pontos, de 33% para 47% desde a semana passada.

Desde que ficou claro que o apelo ao “kit-gay” era um tiro no pé, a campanha de Serra mudou de tática, mas não de estratégia. O horário do tucano na TV e no rádio continuou fazendo campanha negativa contra Haddad, mas com outro assunto: dizendo que se o petista for eleito todas as organizações sociais da área da Saúde perderão seus contratos com a Prefeitura de São Paulo e seus funcionários ficarão sem emprego. O público percebeu.

A campanha serrista é considerada a mais agressiva pela ampla maioria. O dobro de eleitores acha que Serra ataca mais Haddad do que o contrário: 47% do eleitorado diz que o programa de Serra é mais negativo do que o de Haddad, enquanto 23% afirma que a propaganda do petista ataca mais do que ele é atacado pelo adversário. Os demais não souberam responder porque não assistiram à propaganda eleitoral.

A campanha negativa de Serra continua sem tirar eleitores de Haddad, porém. O tucano não conseguiu melhorar seu desempenho nas periferias pobres da cidade. Nessas áreas homogêneas do Norte, Sul e Leste de São Paulo – onde os candidatos do PT foram os mais votados nas últimas três eleições majoritárias – Haddad manteve a mesma vantagem que tinha na semana passada: 24 pontos.

Já no centro expandido e mais rico – onde adversários do PT venceram as últimas três eleições majoritárias -, Serra inverteu o resultado da semana passada, de 4 pontos negativos para 8 positivos. Mesmo assim, Haddad vai melhor no reduto do adversário do que Serra vai no reduto petista. Pior para o tucano: seu avanço na área antipetista foi compensado por um aumento da diferença pró-Haddad nas áreas volúveis, que ficam entre a zona petista e a zona anti-petista.

Outro ponto que complica as chances de Serra é a impopularidade de seu aliado Gilberto Kassab (PSD). O prefeito continua muito mal avaliado: 48% acham seu governo ruim ou péssimo, e só 20% dizem que ele é bom ou ótimo. Menos de 20% dos paulistanos que reprovam a gestão de Kassab declaram voto no tucano.


O candidato José Serra foi, ontem à noite, a convite do bispo dom Fernando Figueiredo, assistir a missa celebrada por ele e pelo padre Marcelo Rossi, no Santuário Mãe de Deus, na zona sul de São Paulo.

Os segmentos evangélicos tradicionais e pentecostais vão dar apoio a Serra neste segundo turno.

Homens serenos e de fé, terão a responsabilidade de informar ao povo de São Paulo a realidade que alguns petistas insanos escondem sob o manto da mentira e do cinismo.

Palpites Loterias